6 de set de 2014

Nada

O sol está embaçado demais. O azul, cinza. Teus passos são envolventes. Ela sabe que ele fica torcendo para que ela não tropece nessas escadas infinitas. Ruas cheias, um órgão vazio. Deserto interior. Resmungos íntimos Estas luzes da cidade não combina com o dia. Muros pichados. Olhar desatento. Mania de tomar café no final da tarde perto de casa.
Perto. Tão longe. Passos largos. Chaves não são fáceis de serem encontras em bolsa bagunçada. Enfim.. Paredes falam, falam não, berram, gritam. Futebol deveria ser proibido no domingo.
Por favor não a matem, ela faz parte dessa história É que isso atrapalha os seus pensamentos. Caetano "não enche" em volume máximo. Melhor assim, só que não. Só que falta. Só que sente, Só que chora. Só... Nada. Ela sabe que nada é em vão. Em vão se sente como se tivesse pedindo socorro. Olhos fechados, mente multicores. torcendo certo que o dia corra certo. Fé tinha de sobra e era escassa. Amanhã? Nada Clarisse, Nada.

( Nadja Araújo)

24 de mai de 2014

Cores em mim

Buscando palavras pra escrever
Procurando cores para ver
Tentando sentir coisas para crer

Uma melodia que venha preencher?
Pode ser!

Para que a leveza caminhe junto ao amanhecer
E que a tardinha venha me enlouquecer
E a noite beije-me antes de partir.


10 de jul de 2013

Impressionante como os tão iguais se juntam, uns para o bem e outros para o mal. Acredito que tudo não passa de ligações, desejos próprios e pensamentos em relação ao mundo.

Nadja Araújo

5 de mar de 2013

A vida é uma caixinha de surpresa e na maioria das vezes estamos inserida nela. (Nadja Araújo)

15 de fev de 2013

O ódio é um sentimento que faz você fazer o que não presta. Já o amor faz com que você não se sinta arrependido no futuro. Por isso mergulhe, faça valer, esgote suas forças, morra e renasça de amor. Ao olhar para atrás não haverá ressentimentos, apenas uma velha página despedaçada pela chuva que passou. 
Nadja Araújo

14 de fev de 2013

Um alivio que incendeia de nostalgia
a agonia que transborda por não saber o que é ir
pois o silêncio é a inconstância do ar
E sinto o teu alento em mim

Nadja Araújo





28 de dez de 2012

Não culpe a si mesmo.
Na vida a gente precisa de ambos.
Porém, os ambos podem ser amba as partes.

12 de jul de 2012

Talvez

Talvez o sol volte amanhã

Talvez eu mude de casa

Talvez o silêncio seja suficiente

E nesse espaço de tempo
Surgi entretenimento


7 de fev de 2012

Por defender o governo vigente ao longo da história muitos se vestiram de palhaços.
Só não rimos por que é trágico!

14 de dez de 2011

Parece que a formação universitária do individuo se baseia 
apenas na repetição das palavras ditas por alguns de seus mestres. Ao invés de triturar, engole a seco! E depois quer falar de sociedade alienante...  

 Nadja Araújo

10 de out de 2011

O ódio é um sentimento que faz você fazer o que não presta. Já o amor faz com que você não se sinta arrependido no futuro.
                                      Nadja Araújo

8 de out de 2011

Quando sinto-me presa em um poço de solidão tudo que eu desejo é caminhar bem longe ou desvendar algo interessante. Porém sei que se eu ficar muito distante da minha realidade isso pode me ocasionar em um profundo tédio.
Nadja Araújo

23 de set de 2011

Lembrança perdida

Não recordo a cor dos teus olhos
Nem o tom da tua malícia voz
Nem do calor em dias de chuva
Nem das tempestades em dias de sol
Não recordo...
Nem de ter te influenciado
Nem de termos brigado
Nem de termos amado
Nem de termos recomeçado
Essas amnésias ressuscitam do nada
Quando enfiado em um longo cobertor
Quando não se tem mais lágrimas
E, nem coragem de dizer adeus.
                                                  Nadja Araújo

17 de mai de 2011

órbita

Andas desapercebido,
por imundas estradas
Embaraçadas,
Saturadas de prazeres
esperando o desconhecido,
Incognoscível
Esquecendo-se da velha estrada


O tempo passa,
as vezes não se encontra graça
e a visão fica embaçada


Caindo no abismo
Do insignificante que corroí
Do parece ser mas não é
Da intoxicação que mata


Meu bem, tudo passa
A primavera vem chegando
O que resta agora é esperar
E por amor a ti mesmo,
não faça nada.


Nadja Araújo

23 de jan de 2011

Doente.

A tua imagem surge nos meus sonhos
E quando o sol aparece,
já nao consigo te ver ao meu lado
Pois o tempo brigou comigo
E, ele me castiga com a saudade


Entao, mantenho portas e janelas fechadas
e assim, nao tem ninguem em casa
Fecho os meus olhos
E ignoro toda claridade
Desejando sonhar contigo, novamente, ao meu lado.


Já não vejo a rua à dias,
E o brincar das crianças me incomoda
E o que me molesta tanto...
É a cama vazia e os bobos filmes românticos
Amor, confesso-te que aos poucos eu morro de saudade.


O meu problema é crônico
Sinto falta de ar
Dores intensas no peito
E até perdendo a noção da realidade
Pois as vezes te vejo em muitos lugares.


Ainda não apercebeu?
Que estou pagando com os contratempos
E já não sei se sobreviverei
Com essa distância e com toda a lentidão dos momentos
Volta logo, és tu o amor da minha vida
És tu a minha cura.


Nadja Araújo

17 de nov de 2010

-amo fotografar -




Faz-me pensar:
no sim ou não
do ficar ou correr 
De jogar-me ao mar
E tu vir-me socorrer
Faz-me sentir:
medo
da incerteza do amanhã
Coragem
de lutar por ti
Desejo
de estarmos juntos para sempre
Lembro-me que azul era tua casa
e azul era o meu mar.


                                                                              Nadja Araújo

transitório

Durante muito tempo procuraste
E encontraste a dor
Durante muito tempo algo persistia
E nem um sorriso se expandia
Transitava entre os mortos,
mas aos poucos,
ressurgia.

Nadja Araújo

22 de set de 2010

Valorize o acaso.
Nada por tudo  e tudo por algo.
Pra que querer saber?
tem coisas que ninguém saberá
e outras...
que apesar do conhecimento,
contem-se em silêncio.

Nadja Araújo

10 de set de 2010

o que mais queres?

Não me pergunte por onde andei
quando estavas tu afastado de mim
Não me pergunte o que eu sentir
quanto voltei e tu já não estavas em mim
Não me pergunte se chorei
por que as vezes resumi-se em drama
E se eu,
por acaso,
ainda te quiser.
Lambuzo-me bruscamente no seu drama
E ainda me atiro levemente na sua cama
Mas não!
Não me pergunte
o que eu sentia por ti
pois tu era apenas uma droga
e eu ainda permaneço sendo o teu vício.

Nadja Araújo

23 de ago de 2010

Um ou dois?

Será que aquela estátua continuará por dentro corroída pelos detalhes da vida?
Sera que a chuva insistira em tocar o seu rosto?
Será que sairá de todo contimento que lhe foi posta a vida?
Apenas prometa a eternidade
E não tente toca-la se a alma for egoísta.


 
Nadja Araújo

10 de mar de 2010

Todo Tempo o Tempo faz Tempo


Carregava nas costas o inconstante
Não te sentia firme em nenhum lugar
E se houvesse um espaço
Lançava-se com toda intensidade
para apenas acreditar
Mas dentro do peito,
sabia a hora de tudo acabar
Pois o tempo tem passado como um pássaro
E que as vezes engana-se com flores falsas
E que, se voar...
uma hora vai ter que pousar
O tempo voa.

Nadja Araújo

25 de fev de 2010

Decisão

Preciso não te ver mais
Pois te ver e fingir que o tudo foi o nada
É algo que pertuba e massacra
É doloroso
É uma faca afiada


Por isso,
Preciso ficar muito longe
Mas se estiveres por perto
Que sejas tu apenas uma sombra


Preciso não saber o que se passa
Se ama ou se odeia
Que os meus ouvidos não incomode a minha memória
Preciso desprender-me
Jogar-te dentro de um abismo
Lavar o meu corpo do teu pecado
Para que eu possa voltar a essência da minha alma
Só assim...
Sentirei-me livre novamente
Só assim...
sentirei-me em paz comigo mesma.


Nádja Araújo